As dez figuras do boidadeiro mostram o movimento da alma humana em direção à Consciência e Unidade. Em cada um dos passos, coloco uma reflexão. Você pode descobrir uma chave interna, um novo jeito de fazer esta travessia.

O UNIVERSO CONSTANTEMENTE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO!
OUSE FLUIR COM ELE !

procurando o touro

A inspiração para este primeiro passo, procurar o touro, é a sensação de que as coisas não são íntegras, de que alguma coisa está faltando. Este sentimento de perda produz dor. Você está procurando algo que faça a situação se endireitar. Você descobre que as tentativas do ego na direção de criar um ambiente ideal são insatisfatórias.

Esta é a fase na qual acontecem as RESISTÊNCIAS e LUTAS INTERNAS. O caos (sensação interna de fragmentação e confusão) também é o local da emergência do novo. Aqui, neste ponto, aconselho você a ABANDONAR A LUTA e a VISLUMBRAR OS SEUS MEDOS. Seria de mudar? de fracassar? de perder o controle?

Os medos são sempre muitos e refletem a natureza inconsciente da mente, pronta para revelar-se para você!

descobrindo as pegadas

Ao compreender a origem desta dor, você descobre a possibilidade de transcende-la. Este é o reconhecimento das Quatro Nobres Verdades. Você vê que a dor resulta dos conflitos criados pelo ego, e descobre as pegadas do touro, que são suas pesadas marcas, e que tomam parte em todos os eventos os transformando em jogos. Você é inspirado por conclusões lógicas inabaláveis, não pela fé cega. Isto corresponde aos caminhos Shravakayana e Pratyekayana.

As quatro nobres verdades são as bases da compreensão em direção à consciência e liberação. Saõ elas: 1. Todos os seres estão sujeitos ao sofrimento (velhice, doença, morte, insatisfação etc.); 2. O sofrimento surge de causas (cobiça, raiva, ignorância etc.); 3. Ao eliminarmos as causas, o sofrimento é eliminado; 4. Praticando o nobre caminho óctuplo, o sofrimento e suas causas são eliminadas.

Praticar o aprendizado com todas as coisas que acontecem no caminho é encontrar um oásis no meio do caos apontado pelo movimento interior. Isto só será possível se a ACEITAÇÃO DE SI MESMO e o NÃO JULGAMENTO tomarem assento nas experiências da vida, junto a você.

encontrando o touro

Você fica pasmo ao perceber o touro e então, porque já não há mais nenhum mistério, você se pergunta se ele está realmente ali; você percebe sua qualidade insubstancial. Você perde a noção de um critério subjetivo. Quando você começa a aceitar esta percepção da não-dualidade, você relaxa, porque não precisa mais defender a existência de seu ego. Você pode dar-se ao luxo de ser aberto e generoso. Você começa a ver outras formas de lidar com seus projetos e isso em si é alegria, o primeiro nível espiritual de conquista de um Bodisatva.

Aqui a consciência do caminho ensinado pelo Buddha, que leva ao Despertar, passa a acionar a ação correta. São 3 ensinamentos e oito chaves (ou praticas) do caminho.

Os Três Treinamentos Superiores
O Nobre Caminho Óctuplo
I. Sabedoria 1. Visão Correta
2. Pensamento Correto
II. Ética (ou Moralidade) 3. Fala Correta
4. Ação Correta
5. Meio de Vida Correto
III. Meditação 6. Esforço Correto
7. Atenção Correta
8. Meditação Correta

 

O nobre caminho é conhecido como o “caminho do meio” porque é baseado na moderação na harmonia, e na sabedoria.

capturando o touro

Após ter o vislumbre do touro, você descobre que a generosidade e a disciplina não são suficientes parar lidar com suas projeções, você ainda tem que transcender completamente a agressão. Você tem que reconhecer a precisão dos meios hábeis e a simplicidade de ver as coisas como elas são, o que está ligado com a compaixão plenamente desenvolvida. O subjugar da agressão não pode ser feito num panorama dualista – é preciso um compromisso total com o caminho compassivo do Bodisatva, ou seja, um desenvolvimento mais amplo da paciência e do vigor.

Tenha GRATIDÃO por tudo o que acontece na sua vida! A gratidão dissolve a fragmentação da mente e o leva a um estado de OBSERVADOR INTERNO. Este não está mais preso e não sofre mais.

domando o touro

Uma vez capturado o touro, altinge-se sua doma através da atenção meditativa panorâmica e do lancinante chicote do conhecimento transcendental. O Bodisatva conquistou as ações transcendentes (paramitas) – e não se fixa a coisa alguma.

A palavra paramita significa “ir até a outra margem”. Essas ações são como um bote que usamos para atravessar o rio do samsara. As paramitas são também chamadas ações transcendentes porque são baseadas em dar um passo além das noções convencionais de virtude e não-virtude. Elas nos treinam para irmos completamente além das limitações da visão dualista e para desenvolvermos uma mente flexível (Pema Chodron)

Entre em contato com o que há de FLEXIVEL e BEM HUMORADO dentro de você. Deixe que estas qualidades o ajudem a atravessar o rio!

montando no touro e indo para casa

Já não há mais nenhuma busca. O touro (a mente) finalmente obedece ao mestre e se torna energia criativa. Este é o rompimento final ao estado da iluminação – o samadhi vajra do Décimo Primeiro Bhumi. Com o desdobrar da experiência de Mahamudra, a luminosidade e cor da mandala transformam-se na música que guia o touro para casa.

PERMITA QUE O QUE HÁ DE NOVO E CRIATIVO EMERJA!

transcendido o touro

Mesmo aquela alegria e cor torna-se irrelevante. A mandala de símbolos e energias do Mahamudra se dissolve no Maha Ati através da total ausência da idéia de experiência. Não há mais touro. A louca sabedoria torna-se cada vez mais evidente e você abandona completamente a ambição de manipular.

RELAXE E DEIXE A CRIAÇÃO TE LEVAR PARA ALEM DE VOCÊ, PARA A UNIDADE!

transcendidos touro e eu

Esta é a ausência tanto do esforço quanto do não-esforço. É a imagem desnuda do princípio primordial do Buda. Esta entrada no Dharmakaya é a perfeição do não-vigiar – não há mais critérios, e a compreensão de Maha Ati como um estágio definitivo é completamente transcendida.

USUFRUA DA PAZ DE ESTAR LIBERTO: DA LIBERDADE DE SI MESMO!

alcançando a fonte

Já que este espaço e abertura e a total ausência de medo estão presentes, a brincadeira espontânea das sabedorias é um processo natural. A fonte da energia que não precisa ser buscada se manifesta; é como se você fosse rico em si e não como se fosse enriquecido por algum fator. Porque há tanto calor básico quanto espaço básico, a atividade de compaixão do Buda está viva e assim toda comunicação é criativa. É uma fonte no sentido de ser o tesouro inexaurível da atividade do Buda. Este é, portanto, o Sambhogakaya.

ENTRE, DEFINITIVAMENTE, NA BRINCADEIRA CÓSMICA

em meio ao mundo

O Nirmanakaya é o estado completamente desperto de estar em meio ao mundo. Sua ação é como a lua refletindo em centenas de tigelas de água. A lua não mantém o desejo de refletir, mas esta é sua natureza. Trata-se de lidar com a terra e a derradeira simplicidade, trancendendo o seguir o exemplo de alguém. É o estado de “completo fiasco” ou “cachorro velho”. Você destrói o que quer precise ser destruído, subjuga o que quer que precise ser subjugado, e você se importa com o que quer que precise que você se importe.

E A CONSCIÊNCIA DO UNIVERSO SE REVELARÁ A VOCÊ, SER DE LUZ!

Extraído do site Bodisatva.

Anúncios