O coração tem razões que a mente desconhece. 

O coração tem sua própria  dimensão do ser, que é completamente oculta para a mente.
Ele é mais elevado e mais profundo que a mente, está além de seu alcance.
Parece tolo.

 O amor sempre parece tolo porque não é utilitário.

 A mente é utilitária.
Para ela, todas as coisas têm algum propósito, e esse é o sentido de ser utilitária.
A mente transforma tudo em meio para atingir metas e objetivos, essa é a sua orientação.

 O amor, contudo, não pode ser transformado em um meio, o que é um problema.  
 O amor em
si é um objetivo.                                                                                                  OSHO

Este pequeno texto do mestre indiano Osho reflete sobre o amor e a mente. A forma com a qual os dois se expressam os distingue: o amor prescinde de ter nenhuma utilidade ou propósito, a mente sobrevive por meio do seu propósito.

O amor acontece, sem motivo, sem necessidade de retorno.
No entanto, é este o amor que conhecemos? É este o amor que vivemos?

O amor como expressão de totalidade só pode assim ser, se assim for cultivado: como uma flor.
O amor como expressão da totalidade só pode ser assim ao ser descoberto a cada momento, sorvido, absorvido, cultivado.

Mas não é isto que os pais, os educadores, os governantes, a sociedade faz com o amor.Tentam controlá-lo, moldá-lo, direcioná-lo, matá-lo. Porque não há nada mais expontaneo e ousado que o amor.

O coração da criança representa o amor na Terra.

Sendo assim, o amor passa a culpar-se por amar.
Sendo assim, o amor passa a não saber mais que é amor e a se imobilizar pelo medo … e começa a procurar o pedaço de si que se perdeu no outro por achar que não é mais pleno.  

Ao despertar a criança, nos re-conectamos com o Divino, com nossa essência feliz. Porque o amor é a profunda expressão de Deus.

SE DESCOBRIR O AMOR, SABERÁ EXATAMENTE COMO VIVER.
Sri. AmmaBhagavan

O Toque de Unidade Deeksha das terças-feiras, por três encontros consecutivos,abordará os relacionamentos, o amor humano, o amor divino (compaixão) e a gratidão, ao focalizar a atenção no quarto chakra ou ANAHATA.

SE O TEMA TOCA O SEU CORAÇÃO,
PODE SER QUE TENHA CHEGADO A HORA DELE DESPERTAR!
PERMITA !

Namastê!

 

 
Atributos do Chakra

 

Alinhamento

Distorção

compaixão

co – dependência

auto-aceitação

limites difusos

equilíbrio entre dar e receber

possessividade

amor  fraterno

       isolamento

    relacionamentos

saudáveis

 

       amargura

 

 

   

 

 

 

 

 

 

 

 

 

                

Anúncios